HOTÉIS VERDES

HOTEIS VERDESA consciência ambiental já é uma realidade no mercado imobiliário, onde iniciativas governamentais ou ações espontâneas da iniciativa privada estimulam a utilização de práticas sustentáveis, especialmente no que se refere a projetos residenciais ou comerciais, que planejam edificações voltadas à preservação do clima e do ambiente.

Essa realidade se reflete na busca da certificação ambiental quando da construção desses edifícios, que concede um certificado denominado Leed-Leadership in Energy and Environmental Design, o chamado selo verde para a construção civil, ainda insipiente no país, mas com elevada solicitação de processos de certificação, que deverá representar um enorme incremento nos imóveis certificados no país. 

Mas não é só o número de projetos que se mostra alentador, mas a ampliação do tipo de imóvel, especialmente um setor onde o luxo e exuberância são muitas vezes confundidos com práticas não sustentáveis e desperdícios, o hoteleiro, cuja mudança de mentalidade é uma realidade em todo o mundo, onde busca-se aliar o conforto com o respeito ao meio ambiente. 

Uma análise preliminar da questão mostra que não são necessários grandes investimentos ou drásticas mudanças na condução desses estabelecimentos, mas medidas simples podem colaborar, e muito, com a melhoria das condições ambientais, tais como o tratamento de esgotos, separação do lixo, redução do consumo de água e adoção de energias alternativas, especialmente a solar. 

Nessa direção, podemos citar o caso do lixo, onde os resíduos orgânicos podem ser levados a uma miniusina e serem transformados em adubos, a serem aplicados na própria horta e nos jardins do empreendimento hoteleiro, ou o lixo reciclável, cujo material é de fácil separação, desde que se adotem práticas de coleta seletiva. 

No que se refere à flora, em hotéis situados em regiões rurais, destacam-se não só as práticas de preservação da mata nativa, mas também a recuperação das matas ciliares, aquelas situadas às margens dos rios, bem como o plantio de espécies com manejo florestal, como o eucalipto, que é utilizado para abastecer a sauna e as lareiras. 

Na questão energia, não é só a adoção da energia solar e também eólica que ganha espaço no setor, mas a combinação com práticas de gerenciamento energético, como a utilização de lâmpadas mais eficientes, como fluorescentes e de LED, sensores para iluminação e programação de desligamento seletivo, como letreiros, que não precisa ficar aceso toda a noite e desligamento de elevadores em horários de menor demanda. 

Por tudo isso, as edificações projetadas de maneira sustentável, obedecendo as normas que lhe garantem a certificação ambiental possuem um incremento em torno de 10,00% no custo de construção, entretanto, além dos benefícios intangíveis que trazem a toda coletividade, está comprovado que resultem em um custo de operação 40,00% menor que os edifícios convencionais. 

Fonte: Fórum da construção

Deixe seu comentário